Você está em:Home > Categoria ‘Dermatologia

Estrutura da haste do fio

  • facebook
  • Twitter
tumblr_lrfhqf8s901qbb53i

Queratina – proteína filamentosa em alfa hélice cujos aminoácidos podem se ligar por pontes de hidrogênio ou forças de Van der Waals ou ligações iônicas (ligações fracas) ou pontes dissulfeto (ligações fortes). 4 alfa hélices são separadas por 3 regiões não helicoidais para formar tetrâmeros que formam protofilamentos, cujos pares formam uma protofibrila. Estas formam as microfibrilas que formam as macrofibrilas.

A queratina é incolor e a cor dos cabelos deve-se  à presença de melanina produzida por melanócitos no bulbo. A cor é dada pelo tipo de melanina: feomelanina (amarela ou vermelha)  ou eumelanina (marrom ou preta)

Resistência dos fios: dada pelo córtex

Proteção dos fios: dada pela cutícula intacta. Importância da endocutícula:  vulnerabilidade a xampus, resíduos, atritos, fraturas pela tração, pelo ato de pentear ou aos tratamentos químicos

A água causa hidrólise dos fios: aumenta 30% do tamanho original e 15% do peso original. A absorção de água costuma ser rápida (75% nos primeiros 4 min)

Porosidade natural da haste: 20%

Eletricidade estática: afeta os cabelos secos por estes serem mais condutores. Como atenuar isso? Pentear cabelos em temperatura mais baixa ou aumentar a umidade capilar

Diferenças entre cabelos de pessoas caucasianas x asiáticas x negras não são devido a estrutura química mas pela diferença da estrutura anatômica dos fios

Promoção Speciale

  • facebook
  • Twitter

 

 

MANCHAS NA PELE: O QUE FAZER?

  • facebook
  • Twitter
 

Com a proximidade do verão aumenta a demanda por consultas dermatológicas visando ao tratamento das manchas na pele. Após a exposição solar intensa pode ocorrer o escurecimento de manchas pré existentes ou o surgimento de novas lesões. Pacientes ESPERTAS, antecipando o surgimento/agravamento do problema, agendam suas consultas visando às orientações preventivas.

Dentre as manchas, o melasma é uma das principais queixas. Conhecido como “mancha de gravidez”, o melasma afeta homens e mulheres, porém, é mais frequente no sexo feminino. Dentre as hipóteses etiológicas, são aventadas: a influência do hormônio feminino, por isso é mais comum em mulheres e pode piorar ou iniciar na gravidez. Também é reconhecido o papel da exposição aos raios ultravioletas que intensificam a síntese do pigmento melanina. Portanto, a fotoproteção contínua e intensa atua como ponto chave no manejo dessa afecção. Recentemente em um curso que participei em Harvard fomos atualizados com algumas descobertas que ajudarão, em muito, o tratamento/controle dessa afecção.

Para o tratamento clínico, podem ser usadas substâncias com a capacidade de interferir na síntese de melanina, conhecidas como despigmentantes. Dentre elas, a mais utilizada é a hidroquinona, que pode ser encontrada de maneira isolada ou associada a outras substâncias, como ácidos. É sempre importante consultar um dermatologista para resultados eficazes e para o acompanhamento adequado do paciente, uma vez que o uso inadequado de deispigmentantes pode causar efeitos adversos, inclusive, pode piorar o aspecto da mancha. Existem substâncias novas que atuam de maneira semelhante à hidroquinona, porém, de maneira mais segura e sem seus riscos.

Também podem ser acrescentados ao tratamento clínico procedimentos como peelings (substâncias químicas aplicadas na pele por médicos dermatologistas) ou alguns tipos de lasers específicos para tratar o excesso de melanina (com bons resultados quando utilizados com parcimônia).

O que esperar do tratamento? Existe cura para o melasma?

Por ser uma condição crônica e causada por fatores internos e externos, o melasma requer cuidados diários e contínuos. É sempre bom ressaltar que a melhora pode ser seguida de uma recidiva se o paciente não tiver disciplina e se não fizer os cuidados visando à sua manutenção.  A resposta ao tratamento depende da profundidade do pigmento na pele, ou seja, quanto mais profundo está situado o pigmento, pior a resposta terapêutica. O ponto chave do tratamento ainda é o uso rigoroso e regular de fotoprotetores. Vale a pena destacar o DERMABLEND, produto com altíssima capacidade de cobertura/ proteção das manchas e a novidade dos fotoprotetores orais, que reforçam os efeitos dos filtros solares convencionais. Para mais detalhes, pergunte ao seu dermatologista.

 

 

Marcela Dermatologista

VITAMINA C

  • facebook
  • Twitter

VITAMINA C: O CORINGA DA DERMATOLOGIA

No dia 16 de outubro, em homenagem ao OUTUBRO ROSA, foi realizado um belo evento na drogaria Araújo Centenária  e eu fui gentilmente convidada pelo Laboratório Roc para falar sobre o uso da vitamina C na Dermatologia. Por isso, vou compartilhar o que foi dito em minha palestra:

Desde a época das Grandes Navegações tem sido reconhecida a importância da Vitamina C na síntese do colágeno e no funcionamento adequado do sistema imunológico. Essa vitamina, essencial ao nosso metabolismo, pode ser obtida por meio de alimentos ou administrada por meio de comprimidos suplementares. Porém, hoje, além dos efeitos benéficos de sua administração por via oral, reconhece-se sua eficácia enquanto medicação de uso tópico, aplicada na pele, prescrita por dermatologistas. Sabe-se que quando aplicada na pele, ela atinge concentrações muito maiores do que quando administrada por via oral.

Diversos estudos comprovam o poder antioxidante da Vitamina C na proteção contra radicais livres produzidos de maneira endógena (diariamente nas reações metabólicas que ocorrem dentro do nosso organismo) ou exógena (pela exposição diária aos raios ultravioletas do sol), prevenindo assim o envelhecimento cutâneo.

Também devem ser salientados seus efeitos despigmentantes (por meio da inibição da enzima tirosinase que é produtora de melanina) e seu papel como cofator para a síntese do colágeno (molécula responsável pelo tônus da pele e que é degradada progressivamente com o envelhecimento e com a exposição prolongada à radiação ultravioleta). Uma indicação ainda pouco difundida é propriedade antiinflamatória, podendo ser utilizada para atenuar queimaduras após exposição solar intensa e irritação após procedimentos como laser e peelings. Ainda pensando nesta última propriedade, gosto de associar este produto ao tratamento da rosácea (que gera vasos dilatados e vermelhidão em face).

A potência dos efeitos da Vitamina C depende da sua concentração na fórmula utilizada. Vale a pena ressaltar que ela pode ser associada a outros princípios ativos ou pode ser pura. Os principais produtos do mercado apresentam concentrações que variam de 5 a 20%. Já foi comprovado que concentrações acima de 30% deixam de der mais eficazes. Uma boa sugestão é optar por produtos acima de 10%, pois são capazes de agregar todos os benefícios acima citados.

Têm sido desenvolvidas formulações com veículos diferentes para que os produtos se adaptem a cada tipo de pele, como sérum (muito leve, indicado para todos os tipos de pele, inclusive para peles oleosas e com tendência a acne), mousse (fácil de aplicar e rapidamente absorvido), loção (textura intermediária entre o sérum e o creme) e creme (indicado para peles secas que precisam ser hidratadas). Dentre as marcas que elaboram produtos contendo vitamina C encontramos a Roc, La Roche Posay,  Lierac, SVR, Vichy, Kiehl’s, Skinceuticals, Adcos, Dermage, Matercoop, Perricone, dentre outras. Existem ainda produtos que associam a vitamina C a outros ativos como a vitamina E, filtro solar, ácido retinoico, ácido ferúlico, ácido hialurônico.

Independente do veículo utilizado e da sua concentração, a Vitamina C apresenta a grande vantagem de não causar efeitos indesejáveis como a vermelhidão e a descamação causadas pelo uso de alguns ácidos. Seu perfil de segurança é indiscutível, e quando isolada de outros ativos, ainda pode ser utilizada durante a gravidez e lactação.

Estive em Harvard agora em outubro e foi muito abordado o tema DRUG DELIVERY: aplicação de produtos imediatamente após a realização de lasers fracionados (laser é um feixe de luz que faz pequenos furinhos na epiderme até chegar na derme para produzir colágeno) para facilitar a penetração, de maneira mais profunda e plena, de alguns produtos. A vitamina C soma efeitos à produção de colágeno desejada com essas tecnologias, além de reduzir os efeitos colaterais como vermelhidão e ardor.

Acima de tudo, reforço a importância de cada paciente consultar seu dermatologista para que seja indicado o melhor produto a base de vitamina C para cada caso.

Dermatologia
Marcela Matos

EVOLUÇÃO DA TRICOLOGIA

  • facebook
  • Twitter

EVOLUÇÃO DA TRICOLOGIA TRAZ BOAS PERSPECTIVAS PARA A QUEDA DE CABELOS

 

Baixa autoestima, frustração e mau investimento. Esqueça todas essas palavras que podem estar relacionadas à queda de cabelos e troque por outras bem melhores de ouvir e sentir profissionalismo, tecnologia e resultado. Com o avanço da tricologia – uma subespecialidade da dermatologia, que estuda os problemas e tratamentos do couro cabeludo – renovam-se as esperanças para quem luta para interromper a queda ou recuperar os fios tão preciosos para o bem-estar emocional. Segundo Alessandra Feltre, diretora e nutricionista da clínica Speciale, a diferença começa pelo diagnóstico dado pela médica dermatologista. Diversas são as causas de queda capilar, e vários fatores e situações podem estar envolvidos. Primeiramente, a individualidade do cliente deve ser respeitada. Por isso, é preciso estudar as particularidades de cada organismo para serem propostas soluções personalizadas,de acordo com a necessidade específica do indivíduo.

Alterações hormonais e nutricionais, fatores genéticos e emocionais, além do uso de produtos químicos, excesso de exposição solar e inflações no couro cabeludo podem contribuir para o dano capilar, afirma a dermatologista Marcela Mattos, parceira da Speciale . No entanto, segundo ela, a queixa mais comum nos consultórios dermatológicos é a alopecia androgenética. “Mesmo que a causa do problema seja genética, com um diagnóstico preciso e, acima de tudo, precoce, é possível tratar o paciente e ter excelentes resultados”, explica.

 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD),

a alopecia androgenética acomete cerca de 50% a 70% dos homens,

contra 20% das mulheres. Contudo, em qualquer condição

que se note uma diminuição do volume habitual dos cabelos,

aconselha-se procurar um dermatologista capacitado.

 

EQUIPAMENTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO

Sabe-se que a queda capilar, muitas vezes, é uma condição progressiva se não tratada. As proposta terapêuticas para a reconstituição dos fios são múltiplas e complementares. A perfeita integração entre as mais avançadas tecnologias – como a fotodermatoscopia digital, um minucioso e altamente tecnológico exame do couro cabeludo utilizando o FotoFinder®; as terapias coadjuvantes e a fotobioestimulação com o Multiwaves® (LED’s) – proporciona resultados efetivos para homens e mulheres. No primeiro simpósio de tricologia, realizado em setembro no Vale do Paraíba, foi opinião unânime que o exame de fotodermatoscopia do couro cabeludo é um procedimento complementar indispensável para o diagnóstico das alopecias. Já o LED (luz de baixa frequência) aprovado pela FDA é fundamental no processo do crescimento capilar, pois melhora o fluxo sanguíneo no couro cabeludo e também mantém os fios na principal fase de desenvolvimento, diminuindo a queda.

 

A diretora e nutricionista da clínica Speciale, Alessandra Feltre, com a dermatologista Marcella Matos

 

TRATAMENTO ESPECIALIZADO

Tudo começa com a avaliação da médica dermatologista. Além da prescrição de medicamentos tópicos e orais, há a opção do tratamento com a tecnologia a laser. Para auxiliar no diagnóstico é realizada a fotodermatoscopia digital. Em seguida, o cliente é encaminhado ao nutricionista, para avaliar possíveis disfunções relacionadas à nutrição e que podem estar diretamente ligadas à queda ou à não formação de novos fios

É importante o acompanhamento sistemático da evolução do tratamento, inclusive com mais participação do cliente, que pode ter acesso às fotos detalhadas tiradas pelo FotoFinder® e obter mais conhecimento de seu quadro clínico. Não é à toa que se chama terapia capilar: é preciso estudo especializado, respeito às singularidades e disciplina por parte do cliente. Seguindo essa sintonia, os resultados virão. Nada melhor do que uma nova chance para solucionar um velho incômodo.