Você está em:Home > Posts de setembro, 2014

Consumo abusivo de suplementos alimentares na busca do corpo perfeito

  • facebook
  • Twitter

As mídias sociais vêm exercendo uma influência muito grande sobre os indivíduos na atualidade.

Com isso, ganha força a propagação do healthy style e do body build. Assim, muitas pessoas – esportistas ou não – testam dietas, regimes dietéticos de qualquer espécie e usam suplementos alimentares que possam potencializar, no menor espaço de tempo possível, um novo nível de bem-estar físico e estético.

Atualmente, diversos tipos de suplementos são comercializados com variados propósitos. Em geral, são divulgados e oferecidos como meio de otimizar algum aspecto do desempenho físico, principalmente reduzir gordura corporal e aumentar massa magra, o que atribui efeitos positivos na estética corporal.

Dessa forma, muitas pessoas, na busca por atingir o peso desejado e o tão sonhado “corpo perfeito”, passam a consumir tais produtos abusivamente, sem qualquer critério de indicação.

O uso exagerado e indiscriminado de suplementos – tais como termogênicos, estimulantes ou aceleradores de metabolismo, diuréticos e fitoterápicos estimuladores de hormônios masculinos – decorre tanto do conhecimento limitado que grande parte das pessoas tem a respeito dos possíveis efeitos nocivos de tais produtos quanto da facilidade em adquiri-los. Além disso, apenas uma pequena parcela dos consumidores desses produtos procuram por orientação nutricional.

O que é um grande erro.

De fato, alguns desses produtos podem, sim, auxiliar no processo de perda de peso e ganho de massa muscular, desde que utilizados corretamente, com a indicação de um profissional capacitado. No entanto, tais suplementos estão

longe de ser encarados como milagrosos. Osresultados dependem principalmente de umadieta equilibrada e de atividade física frequente.

E muito além disso, de um organismo com bom funcionamento metabólico.

 

IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL NO USO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

O que a maioria das pessoas não sabe é que o uso de suplementos alimentares, se ocorre sem devida orientação, pode trazer sérios riscos à saúde, além de gasto financeiro desnecessário.

Apenas profissionais nutricionistas, assim como profissionais que atuam na medicina do esporte, são capazes de orientar adequadamente qualquer indivíduo, considerando não apenas os resultados na imagem corporal, como também na saúde.

Para estabelecer o produto adequado e sua quantidade, seja para redução de gordura ou ganho de massa corporal, é necessário uma avaliação detalhada sobre as reais necessidades de cada indivíduo.

Para isso, devem ser considerados:

  • objetivo a ser alcançado;
  • hábitos alimentares;
  • tipo de atividade física, bem como frequência,

intensidade e duração;

  • características individuais (sexo, idade, perfil

antropométrico, estado de saúde…);

  • histórico familiar de doenças;
  • individualidade bioquímica.

QUANDO VALE A PENA SUPLEMENTAR?

É importante ressaltar que nem todos os suplementos são eficazes.

Caso sejam administrados da maneira incorreta, podem causar reações indesejadas. Por exemplo: o consumo excessivo de termogênicos pode desencadear sintomas como dor de cabeça, tontura, distúrbios do sono, problemas gastrointestinais ou até mesmo alterações na pressão arterial, dependendo do indivíduo e do horário que for administrado.

Por isso, a avaliação de um profissional capacitado é essencial, para escolher não apenas o produto mais adequado, mas também a dose, o horário e o período adequado para ingerir.

Outro exemplo é o alto consumo de suplementos proteicos. O excesso pode causar um desequilíbrio orgânico e, inclusive, levar a uma sobrecarga renal e hepática. Além disso, outros produtos para ganho de massa muscular, quando usados sem orientação nutricional adequada e em doses elevadas, também podem ocasionar alterações hepáticas.

O que muitas pessoas desconsideram, ao lançar mão do uso abusivo de suplementos, é que eles não substituem uma alimentação adequada.

Eles entram como complementos para otimizar os resultados esperados.

Portanto, adotar hábitos alimentares saudáveis associados à práticaregular de atividade física é essencial para que esses produtos, sempre com orientação adequada, otimizem e acelerem o objetivo esperado.

Portanto, antes de comprar suplementos com promessas milagrosas, procure profissionais capacitados para receber uma explicação adequada e individualizada de acordo com seus objetivos e reais necessidades.

 

 

Cuidados e prevenção contra o câncer de pele

  • facebook
  • Twitter

 

O verão chegou e, com ele, a necessidade de cuidado com a exposição efetiva ao sol. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) estimam que, em 2004, aproximadamente 7,4 milhões de pessoas no planeta foram diagnosticadas com câncer. No ano de 2030, se nenhuma atitude for tomada, esse número subirá para 11 milhões. Vale a pena ressaltar que o câncer de pele é (e continuará sendo) o câncer mais prevalente na população mundial em indivíduos sem distinção de sexo.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer  (Inca), no biênio 2012/2013, teremos cerca de 520 mil novos casos de câncer de pele no Brasil. A incidência dessa neoplasia é maior em indivíduos que apresentam pele, cabelos e olhos claros (fototipos I e II), que se expõem frequentemente e prolongadamente ao sol. Sendo a radiação ultravioleta a principal responsável pelo  desenvolvimento de tumores cutâneos, cabe ao dermatologistaa responsabilidade de alertar e esclarecer a importância das medidas preventivas e a maneira mais eficaz de reduzir a incidência da maioria dos casos de cânceres de pele. Faz-se importante ressaltar que a localização geográfica de cada país também pode exercer influência e aumentar o risco da doença, como a proximidade da Linha do Equador ou lugares que tenham altitudes elevadas e pouca proteção pela camada de ozônio.

 

 *A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda

que as seguintes medidas de proteção sejam adotadas:

 

I – use chapéus, camisetas e protetor solar. Evite a exposição solar e permaneça na sombra entre as 10h e as 16h (horário de verão). Indivíduos que possuem fototipos I e II devem ser ainda mais rigorosos com esses cuidados, pois apresentam risco maior para o desenvolvimento de tumores de pele;

 II – na praia ou na piscina, use barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável, pois 95% dos raios UV ultrapassam esse material;

 III – Use filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou diversão. Utilize um produto que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo.

Reaplique o produto a cada 2 horas – ou em menos tempo, caso você for praticar atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia a dia, aplique uma boa quantidade pela manhã. Uma simples recomendação da SBD é que sejam aplicadas as seguintes quantidades de produto: uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo. É imprescindível reaplicá-lo antes de sair para o almoço.

O filtro solar deve ser utilizado inclusive em dias nublados. Óculos escuros com proteção para a radiação UV também complementam as estratégias de proteção;

 IV – observe regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas. Estudos científicos revelam que grande parte dos diagnósticos de câncer de pele (melanoma) foi realizada pelo próprio paciente. Portanto, o autoexame dermatológico constitui ferramenta importante no combate à doença;

 V – consulte um dermatologista uma vez ao ano, no mínimo, para exame completo. Indivíduos com história pessoal ou familiar de câncer de pele requerem avaliações mais frequentes e detalhadas, pois apresentam risco maior a tumores cutâneos quando comparados com à população.

 

Sinais e sintomas

O câncer de pele pode se assemelhar a nevos, verrugas, eczemas, ceratoses seborreicas e outras lesões benignas. Assim, conhecer bem a pele e saber em quais regiões existem nevos (benignos) faz toda a diferença na hora de detectar qualquer irregularidade. Somente um exame clínico feito por médico especializado ou uma biópsia da lesão suspeita podem diagnosticar o câncer de pele. Contudo, é importante estar sempre atento aos seguintes sintomas:

I – lesão na pele de aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida, com crosta central e que sangra facilmente;

II – pinta preta ou castanha que muda sua cor e textura. Além disso, torna-se irregular nas bordas e cresce em tamanho;

III – mancha ou ferida que não se cicatriza, bem como continua a crescer. Provoca no paciente coceira, crostas, rosões ou sangramento.

Uma ferramenta extremamente eficaz para o diagnóstico precoce e acompanhamento de lesões cutâneas é o Photofinder® (dermatoscópio corporal digital), instrumento pouco  conhecido pelos pacientes e, ainda hoje, pouco utilizado por dermatologistas. Trata-se de uma lente de aumento com capacidade de amplificar lesões de 10 a 70 vezes que, por meio de uma análise de padrões estruturais, facilita a detecção de lesões suspeitas. Infelizmente, algumas lesões cutâneas podem passar despercebidas mesmo pelo dermatologista mais experiente.

Outra facilidade desse aparelho é a possibilidade de se mapear toda a superfície corporal – o que é de grande importância para avaliar aqueles indivíduos com centenas de lesões. A tecnologia permite ainda acompanhar e identificar se há ou não lesões novas ou se as lesões antigas sofreram alguma modificação, já que o aparelho dispõe de um programa informatizado para esse fim.

São pacientes candidatos ao mapeamento corporal: indivíduos que apresentam 50 ou mais nevos atípicos, aqueles com história pessoal ou familiar de melanoma e pessoas com fatores de risco adicionais.

Como o dia 30 de novembro foi instituído pela SBD como forma de divulgação em campanha nacional de alerta contra o câncer de pele, venho reforçar que a universalização da informação permitirá a cada indivíduo fazer mais pela própria saúde. As medidas  preventivas são de fácil execução e devem ser divulgadas, para que possam ser colocadas em prática. O autoexame é uma maneira rápida e fácil de iniciar o diagnóstico. Este, sendo preciso e precoce, juntamente com o tratamento adequado, é a arma mai forte que o dermatologista dispõe para finalizar esse combate com vitória contra o câncer. Agora é com vocês.

Dra. Marcela Mattos

Dermatologista

O consumo de álcool após a atividade física

  • facebook
  • Twitter

O consumo de álcool após a atividade física pode piorar o rendimento, desempenho ou a recuperação de um atleta ou praticante de exercícios físicos?

Hoje em dia, a adesão à atividade física tem sido enorme, e é muito comum, após uma corrida ou futebol, alguns esportistas irem para os chamados “postos de hidratação” ou às comemorações, devido à vitória conquistada. Porém, essa festa é regada a um elevado consumo de bebidas alcoólicas, como a cerveja. Os indivíduos pensam que, como já atingiram os benefícios fisiológicos por meio do exercício, não há problema algum em beber ou dar uma abusada no fim de semana. Enganam-se.

Vale ressaltar que o consumo de álcool por um atleta diminui a capacidade de contração

muscular, aumentando a dor e facilitando a ocorrência de lesões durante a atividade física

em que é submetido. Um estudo publicado recentemente demonstrou que ingerir bebidas alcoólicas após diferentes tipos de exercícios suprime a resposta anabólica do

músculo esquelético, prejudicando a recuperação e a adaptação ao treino, bem como a melhora da performance.

 Como o álcool age no corpo de um praticante de atividade física regular?

 Para entender os efeitos do álcool no corpo de um esportista, uma pesquisa acompanhou um

jogador de futsal consumindo bebida alcoólica antes de um treino importante, sob a supervisão de um médico. O atleta saiu para beber e, na manhã seguinte, não teve um bom desempenho ao longo do treino. Cada pessoa tem uma reação diferente à quantidade de bebida ingerida, e não é necessária uma grande quantidade para influenciar no rendimento do praticante.

A dose é muito variável de pessoa para pessoa. Inicialmente, pensava-se que, para haver repercussões negativas no esportista, deveria ser consumida grande quantidade de álcool. Hoje, sabe-se que, mesmo com pequenas doses, o atleta já é prejudicado. O álcool causa desidratação, e a pesquisa mostrou a importância de ingerir água durante o consumo de bebidas alcoólicas. Desidratado, o praticante fica mais propenso a ter lesões musculares.

Após a desidratação, o esportista apresenta uma fraqueza muscular que piorará progressivamente. A célula muscular fica mais fraca, assim como os tendões,

e a pessoa não consegue se nutrir, perdendo as vitaminas B e D. Tudo isso faz com que o praticante não tenha uma constituição adequada. Então, as primeiras coisas que surgem são as lesões musculares, as rupturas musculares na coxa, no posterior de coxa, a lesão tendinosa e outras.

Como o atleta fica mais lento, o risco de uma torção de joelho e de fazer uma lesão do ligamento cruzado anterior é muito grande. Tudo isso favorecido pelo consumo constante de álcool, segundo a pesquisa. Bebidas alcoólicas provocam hemorragia e inchaço nos tecidos musculares lesionados (rotura de ligamentos, contusões e cortes, que são as lesões mais comuns), levando mais tempo a cicatrizar. Por outro lado, o álcool dissimula a dor, retardando o início do tratamento, fazendo toda a diferença no tempo de recuperação.

Se você sofreu uma lesão muscular, evite ingerir bebidas alcoólicas, pelo menos até iniciar o tratamento. Lembre-se também de que o álcool consumido na noite anterior aos treinos pode favorecer uma produção aumentada de ácido lático, conduzindo à fadiga muscular mais rapidamente e podendo levar a um aumento de cãibras.

Por isso, se fizer exercícios físicos, não beba; se beber, não os faça ou não exagere no consumo de álcool. Tudo deve ser feito com equilíbrio e moderação.

 

Criado por : Andrezza Fernandez

Nutricionista clinica funcional

CRN: 11877

GLUTAMINA

  • facebook
  • Twitter

Além de melhora na performance esportiva, o aminoácido aumenta a imunidade, previne o catabolismo, melhora o sistema antioxidante e participa da função intestinal.

Os suplementos alimentares, amplamente usado pela nutrição esportiva, são indicados não só para atletas profissionais, mas também para os indivíduos fisicamente ativos que, apesar de atividades recreativas, buscam a melhora na performance, seja aumentando a capacidade aeróbica e/ ou promovendo o ganho de massa muscular. Outro aspecto relevante no ganho e manutenção do condicionamento físico é a modulação do sistema imune. A imunocompetência é outra manobra promovida pela nutrição esportiva, por meio do consumo de glutamina.

Sintetizada a partir de aminoácidos de cadeia ramificada – os famosos BCAA’s – e do glutamato, a glutamina é o aminoácido não essencial mais abundante na corrente sanguínea e no músculo esquelético dos seres humanos. Ela vem também se popularizando pelo publico consumidor de suplementos alimentares, até porque é indicada não só para atletas profissionais, como apara qualquer um que faça exercícios e queira melhorar  sua performance e ganhar massa muscular. Para completar, outro beneficio da glutamina também está se tornando cada vez mais conhecido a chamando a atenção das pessoas: a melhoria da imunidade de quem a consome.

Células como linfócitos, macrófagos e neutrófilos desempenha um papel central na resposta imune e inflamatória, e utilizam a glutamina em altas taxas como um importante combustível para a manutenção de suas funções. Em condições normais, a glutamina é produzida e liberada pelos músculos em quantidades suficientes para serem utilizadas pelas células do sistema de defesa. Contudo, a prática de exercícios e treinos prolongados reduz substancialmente a concentração de glutamina no organismo.

Com isso, ocorre uma redução na disponibilidade desse aminoácido, o que compromete a funcionalidade do sistema imunológico. Dessa forma, a diminuição de glutamina para as células do sistema imunológico pode provocar imunossupressão, tornando o atleta mais suscetível a processos infecciosos, em especial as infecções do trato respiratório superior (ITRS). Assim, a suplementação da glutamina é considerada essencial para o bom funcionamento do sistema imunológico, prevenindo a imunossupressão causada pelo exercício físico.

Em relação ao papel exercido na atividade física em si, a glutamina é anticatabólica e ajuda na manutenção da massa muscular, além de ser reguladora da síntese proteica. Ela também é um nutriente essencial para o condicionamento e, na prática esportiva intensa, desempenha papel importante na prevenção da fadiga.

Além disso, há trabalhos que relacionam a performance esportiva com a concentração da glutationa (antioxidante derivado da glutamina), em que a elevação na concentração proporciona tempo maior de execução do exercício até o usuário atingir a exaustão. Ou seja, a glutamina faz com que quem pratica um esporte, de maneira recreativa ou profissional, demore mais para se cansar.

Por fim, a glutamina exerce um importante papel na redução da permeabilidade intestinal, reduz translocação bacteriana, estimula o crescimento e a integridade da mucosa do intestino. Também modula possíveis alterações no organismo, e os praticantes de exercícios de resistência são os que mais se beneficiam da utilização dela, principalmente no período pós-esforço, nos quais objetiva-se a recuperação.

 

Criado por:

Alessandra Feltre

Nuticionista – Clinica Speciale

 

Cabelos

  • facebook
  • Twitter

Dermatologia e Nutrição

Speciale

Desde a antiguidade, os cabelos causam fascínio e são considerados símbolos de beleza e saúde. Por isso, a queda deles (alopecia ou calvície) gera ansiedade e compromete a autoestima de homens e, principalmente, mulheres.  A unidade pilossebácea  (pele, pelo, glândula, sebácea e receptores hormonais) é uma estrutura extremamente complexa e, portanto, sujeita a influências de diversos fatores.

Existem numerosas causas de alopecia, podendo esta ser de origem exógena (externa, como dietas restritivas, exposição intensa á radiação ultravioleta, alisamentos, tinturas e chapinhas) ou endógena (interna, como doenças autoimunes, alterações dos hormônios sexuais ou da tireoide, estresse, infecções e doenças gastrointestinais que reduzem a absorção de nutrientes da dieta).

Dessa maneira, a busca pelo diagnostico preciso é fundamental para o sucesso de um tratamento. Cada individuo é único e merece uma avaliação completa de seu problema. Então, por que não procurar ajuda? Acima de tudo, é importante ressaltar que, independentemente da causa, existe solução para a queda de cabelos.

A sociedade moderna induz as pessoas á busca pelo “padrão ideal de beleza”, e os cabelos acabam sendo vitimas de agressões químicas e físicas (alisamentos, tinturas, chapinhas). Essas, por sua vez, comprometem a integridade capilar, culminando em queda e quebra dos fios. A mesma cobrança da sociedade pelo “corpo ideal” pressiona as pessoas a realizarem dietas restritivas e, muitas vezes, sem orientações de um profissional apto para exercer esse cuidado. A falta de nutrientes essenciais para os cabelos interfere no ciclo capilar e desencadeia a queda dos fios e a perda de brilho.

Na Clinica Speciale, realizamos uma avaliação completa do paciente, que envolve:

  • A consulta dermatológica, na qual é realizada uma investigação completa de hábitos, tratamentos prévios e doenças associadas. É feito o exame digital do couro cabeludo. São solicitados exames de sangue para a avaliação de todos os fatores que podem interferir no crescimento capilar;
  • A avaliação nutricional, que visa otimizar a dieta do paciente, para que ele tenha um aporte maior dos nutrientes essenciais aos cabelos (ferro, zinco, selênio, ácido fólico, vitamina D, cobre e proteínas).

Na tricologia (ramo da medicina que cuida de cabelos e pelos), existe uma relação direta entre a dieta e uma boa resposta aos tratamentos capilares. Uma dieta saudável e variada auxilia na manutenção de cabelos também saudáveis. Andezza Fernandes, nutricionista funcional da Speciale, abrange em sua consulta todo o processo, desde a orientação dietética até o preparo dos alimentos e otimização da absorção intestinal dos nutrientes. A especialista inclui em sua anamnese e prescrição fatores como quantidade e qualidade dos alimentos, nível diário de estresse, presença ou não de inflamação, alterações da flora e irregularidades do funcionamento intestinal, a fim de que o resultado final seja adequado. O objetivo é a obtenção de nutrientes fundamentais ao ciclo capilar, com a ingestão de alimentos. Se julgar necessários, o profissional deve acrescentá-los por meio de fórmulas individualizadas, feitas especialmente para cada paciente.   Seguem alguns nutrientes e os alimentos nos quais podemos encontrá-los:

 

Nutricionista:  Andrezza Fernandes

CRN 11877

 

VITAMINA A

Controla a produção de oleosidade no couro cabeludo e está presente em alimentos como óleo de fígado de peixe, espinafre, cenoura, gema de ovo, vegetais amarelos ou verde-escuros, melão e pêssego.

VITAMINAS DO COMPLEXO B

Auxiliam na renovação celular e no crescimento saudável dos fios, estando presentes nas carnes magras, peixes, frutos do mar, vegetais folhosos, brócolis, cereais, integrais, legumes, grãos e nozes.  A BIOTINA faz parte do complexo B e, hoje , é considerada uma das vitaminas, mais importantes para a estrutura e crescimento dos fios –importante para a espessura e o brilho.

VITAMINA C

Presente em frutas cítricas e tomate, é um antioxidante importante para o organismo. Melhora a irrigação sanguínea e , com isso, estimula o crescimento dos fios e a síntese de colágeno.

VITAMINA D

Ativa principalmente na pele após a exposição á radiação UVB, também pode ser obtida em óleo de fígado de bacalhau, peixes, ostras e carnes.

ZINCO, COBRE, FERRO E IODO

Ajudam no fortalecimento e crescimento dos cabelos. Encontrados principalmente em: carnes vermelhas e brancas, frutos do mar, gérmen de trigo, cereais integrais, peixes de água salgada, entre outros.

PROTEÍNA DE BOA QUALIDADE

Carne, frango, peixe e ovos devem esta em quantidade suficiente na alimentação, pois o aminoácido apresenta a função estrutural de manutenção e reparo dos tecidos. Nem todos os aminoácidos estão presentes na fibra capilar. Porém, para que os cabelos fiquem mais bonitos, fortes e saudáveis, os aminoácidos são fundamentais. Sempre é preciso checar se o paciente tem boa digestão das proteínas da dieta, a fim de que haja incorporação os aminoácidos nos fios de cabelo. A proteína também é rica em taurina, um tipo de aminoácido que melhorara a hidratação do cabelo, estimula o crescimento, protege o folículo capilar e combate o estresse oxidativo, prevenindo o envelhecimento.

 

ATENÇÃO

  • Evite períodos de jejum prolongados (mais de 4 horas: os níveis de energia dos folículos capilares diminuem, prejudicando os cabelos).
  • Reduza ao máximo o consumo de alimentos artificiais, refinados e enlatados. Dê preferência aos alimentos naturais, vegetais e integrais. Opte pela variedade.
  • Evite tomar café ou chá preto exageradamente, pois a cafeína em excesso pode alterar os níveis de estrógeno na mulher. O chá preto contém tanino, e este, em altas concentrações, impede a absorção de ferro pelo organismo.
  • Algumas medicações como antibióticos, anti-inflamatórios e antidepressivos podem aumentar a queda de cabelos.

Outro fator importante e a identificação e modulação do cortisol alto (hormônio do estresse) por meio de alimentos como abacate, canela e cacau. Já em caso de disbiose intestinal ser identificada, a biomassa de banana verde é indicada, pois esta é fonte de amido resistente e é utilizada como substrato energético pelas bactérias gram positivas do intestino. Esse diagnósticos se dão na consulta nutricional. Existe uma tendência atual da população em busca nas farmácias os nutricosméticos capilares ( comprimidos que visam á saúde capilar). São fórmulas com vitaminas e minerais, em pequenas concentrações destinadas ao crescimento capilar APENAS EM CONDIÇÕES ÓTIMAS, ou seja, quando não há doenças.

O grande problema é que, muitas vezes, cada indivíduo tem uma necessidade específica. Se o paciente tem deficiência de determinada vitamina ou mineral, ele deverá ser tratado com cada substância específica e em doses maiores (terapêuticas), o que não é possível com os nutricosméticos. Esse fato reforça a necessidade da avaliação capilar ser realizada por profissionais especializados e capacitados.

DRA. MARCELA MATTOS

Dermatologista

Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia